Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Efeito Espelho

  

Uma história tem sempre duas versões: a verdadeira e a de quem a vive.

 

As situações são sempre as mesmas, quase como se fossem dèja vu. E os protagonistas também não mudam. Vivem-se histórias rocambolescas e de confusão, trocam-se acusações e recriminações, perde-se o respeito e baralham-se hierarquias.

 

Quem manda perde o comando e quem não manda assume-o. Arrastam-se hostes de fracos de espírito que se convencem com mentiras provenientes de um mundo efabulado.As hostes julgam ter força para derrotar um grão de pó. E a hierarquia riposta, e tenta manter a sua cabeça altiva.

 

Narra-se um lado da história, conta-se o outro. E deparamo-nos com um espelho. Cada parte da história reflecte no seu antagonista.

E eu... eu sou uma mera vírgula que separa as palavras, que permite a pausa, que quebra o espelho.

 

 

O Final do Blog

Estive para encerrar o meu blog. Ou simplesmente ignorar que ele existia, o que não seria correcto para quem perde uns minutinhos diários para o ler.

 

Não considero que os meus posts tenham grande relevância. São apenas confidências a uma “folha de papel virtual”, escritos sem segundas intenções, nem a pensar quem os pode ler. Como tal, registo apenas alguns episódios da minha vida cinzenta. E sem máscaras ou efabulações. O meu blog sou eu.

 

Poderia contar, no blog, a minha vida amorosa ante-N., o que seria provavelmente interessante e um chamariz de hostes de visitantes para o meu blog. Mas não o faço por respeito ao meu amor, o N.. Não seria capaz de o fazer não só pelo amor que sinto por ele mas também pelo respeito. Adoro-o. Ele é o meu “nino”. É ele o meu melhor amigo. É ele o dono do meu coração.

Por isso, todas as histórias anteriores, estão fechadas na “caixinha das recordações”.

Pode ser que um dia fale da minha história de amor com o N. .

 

Podia desfiar o meu rosário de tristezas e dilemas, mas não me apetece… Raramente o faço. Às vezes coloco aqui uns posts algo enigmáticos ou então de total abertura em relação a um determinado problema (vidé Bypass Gástrico). E é só. Estas dificuldades da minha vida não as consigo resolver porque não dependem só de mim. Assim, prefiro relegá-las para segundo plano, à espera que, num estalar de dedos, surja a solução. Mas estou atenta e alerta!

 

Até podia falar aqui da Pessoinha. Mas quem sou eu? De onde venho? Para onde vou? Alguém sabe? Será que eu sei? Será que interessa a alguém as minhas taras e manias? É um caso a pensar…

 

Dramas e zaragatas familiares são inexistentes. Apenas episódios pontuais que vos vou contando ao ouvido.

Até podia efabular e contar histórias da minha família. Tipo o meu adorado livro “Cem Anos de Solidão” . Interessa a alguém lê-las?

 

Já a minha vida profissional, tem muito que se lhe diga. E vocês sabem disso. Várias vezes partilho convosco os meus dissabores e alegrias (também as há!). Gosto muito do que faço. Dá-me muito gozo. É pena a estabilidade ser…NULA!

 

Às vezes também relato histórias pessoais de amigos. Muito subtilmente. Por vezes nem se apercebem disso, pois não as particularizo ou identifico. Assim, só quem for o protagonista da história e a ler, conseguirá descobrir que é dele que falo.

Tendo em conta tudo isto, e após reflexão mantenho a mesma opinião acerca dos meus posts. No entanto, ainda não foi desta vez que encerrei o blog.

Mais uma vez… Resisto.